O que é a Urticária?

A urticária é uma reacção da pele que surge em 15-25% da população, em algum momento da vida. Na urticária aparecem, de forma súbita e com comichão, manchas vermelhas com halo central mais claro e com relevo (pápulas), de diferente dimensão e contornos nítidos que, caracteristicamente, mudam de tamanho e forma rapidamente. As lesões podem ser mais ou menos localizadas, surgir em qualquer parte do corpo e desaparecem sem deixar qualquer marca na pele. Por vezes, a urticária pode associar-se a inchaço, de forma mais ou menos duradoura (mais frequente nos lábios e pálpebras) – o chamado, angioedema.

A urticária é uma situação muito frequente e sem gravidade mas que, pelo incómodo que provoca (comichão) e pela visibilidade das lesões gera, habitualmente, ansiedade e leva muitas pessoas a recorrer aos Serviços de Saúde.

Classificação da Urticária

Na grande maioria das vezes, a urticária é esporádica e dura menos de 24 horas mas, pode manter-se dias ou algumas semanas (urticária aguda) ou, em casos raros, persistir além das 6 semanas (urticária crónica).

A urticária aguda é muito frequente – metade da população tem um episódio de urticária nalguma fase da sua vida. Pode ser uma manifestação de alergia a alimentos (mariscos, frutos secos, Kiwi, etc); reacção a medicamentos (penicilina ou anti-inflamatórios não esteróides), a picada de insectos; associada ao stress ou à exposição a agentes infecciosos (ex. vírus). As formas alérgicas, ao contrário do que se possa pensar, são raras (<10%), desaparecendo quando cessa a exposição ao alergénio. Na suspeita de alergia pode realizar-se uma análise de sangue ou efectuar-se os testes cutâneos por “picada” embora, frequentemente, não haja justificação para a sua realização porque, raramente, se identifica a causa alérgica. Na maioria dos casos, os episódios de urticária aguda não representam qualquer risco futuro de associação a doenças alérgicas.

As urticárias crónicas, pela persistência das lesões ou irregularidade e imprevisibilidade do seu aparecimento, têm um grande impacto na qualidade de vida. Na sua grande maioria não são graves e, em 60 a 80% dos casos, não se identifica uma causa. Contudo, e em casos seleccionados, pode ser necessário efectuar análises para eliminar uma doença associada.

Algumas das reacções de urticária surgem após fricção, vibração ou pressão sobre a pele, exposição ao calor, frio ou sol ou realização de esforço físico – são as chamadas urticárias físicas.

Como é feito o diagnóstico da Urticária?

O diagnóstico de urticária é feito pela observação de lesões características associadas a uma história típica de aparecimento rápido. A sua avaliação nas formas mais crónicas ou recidivantes necessita, por vezes, de exames complementares para ajudar na detecção de alguma doença associada ou desencadeante. Nalguns casos raros, é importante o exame de pele – biópsia – para descartar outras patologias (doenças) dermatológicas.

Tratamento da Urticária

O tratamento da urticária aguda deve ser feito com medicação de alívio dos sintomas, por via oral ou tópica (aplicação na pele) e, sempre que possível, evitar o factor desencadeante. Para o controlo sintomático, os anti-histamínicos não sedativos (2ª geração) são os fármacos de eleição na urticária aguda e crónica.

Quando for prescrita pelo seu médico é importante cumprir a terapêutica como recomendado.

Este conteúdo é meramente informativo, sendo os profissionais de saúde quem melhor podem responder a todas as suas questões sobre Urticária.