A Diabetes é uma situação clínica muito frequente em Portugal: pode ser algo perfeitamente controlado, em que pouco impacto tem na saúde da pessoa, ou pode ser uma doença grave e debilitante. Tudo depende do diagnóstico atempado e do controlo adequado.

diabetes

Estima-se que mais que 1 milhão de Portugueses tenha Diabetes (cerca de 13% da população Portuguesa). Ainda mais preocupante é que cerca de metade não sabe que tem a doença. Isto é muito grave, pois se a doença não for diagnosticada precocemente e convenientemente tratada, as complicações da doença podem ser graves. Cerca de 1 em cada 3 Portugueses adultos tem diabetes ou tem risco elevado para diabetes (a chamada“pré-diabetes”).

A Diabetes é uma doença crónica caracterizada pela incapacidade do nosso organismo em utilizar a sua principal fonte de energia, a glucose (açúcar) e tem como consequência o aumento dos níveis de glucose no sangue (glicemia). A diabetes é uma doença para a vida, que poderá ter consequências graves caso não seja bem controlada.

Em Portugal, a Diabetes é a principal causa de cegueira, uma das principais causas de insuficiência renal a necessitar de diálise, a principal causa de amputações não traumáticas (que não são causadas por um acidente) do pé e da perna. As pessoas com diabetes têm 4 vezes maior risco de ter um enfarte do miocárdio e de morrer de doenças cardiovasculares. Estas são as razões pelas quais é fundamental não só a diabetes ser diagnosticada o mais cedo possível como também estar bem controlada, com os valores de glicemia dentro do que o médico definir. Com diagnóstico precoce e bom controlo da doença é muito menos provável ter complicações graves da doença e levar uma vida normal.

As duas principais formas são a Diabetes mellitus tipo 1 e a tipo 2.

A diabetes tipo 1 é mais comum pessoas jovens. Neste tipo de diabetes o organismo deixa de produzir de forma súbita a única hormona capaz de baixar a glicemia: a insulina. Estas pessoas têm de ser obrigatoriamente tratadas com insulina e precisam de injecções desta hormona para viver.

A diabetes tipo 2 surge habitualmente em pessoas com mais idade estando na sua origem uma incapacidade do organismo para produzir em quantidade suficiente a insulina aliada a uma resistência do organismo a esta mesma hormona. A principal causa disto prende-se com peso a mais (excesso de peso ou obesidade). Estas pessoas são tratadas com cuidados alimentares, exercício físico e medicamentos, que podem ser comprimidos ou insulina.

A diabetes tipo 2 é muito mais frequente (cerca de 90-95% dos casos de diabetes em todo o mundo) e não pára de aumentar como resultado de estilos de vida pouco saudáveis que resultam em cada vez mais pessoas com excesso de peso e obesidade.

Existem outros tipos de diabetes além do Tipo 1, Tipo 2, mas esses ocorrem com muito menor frequência.

Devem fazer análises para saber se têm diabetes, pessoas com excesso de peso ou obesidade que tenham pelo menos um dos seguintes: familiares do 1º grau com diabetes do tipo 2, fazem pouco ou nenhum exercício físico, mulheres que tiveram diabetes durante a gravidez (diabetes gestacional) ou que deram à luz bebés com mais de 4Kg, mulheres com ovário poliquístico (um tipo de alterações dos ovários), historial de problemas cardíacos, tenham análises anteriores de glicemia ou outras medidas de açúcar no sangue fora do intervalo de referência, tenham análises de sangue com alteração dos triglicéridos ou do colesterol das HDL (tipo de gordura no sangue), tensão alta. Todas as pessoas com mais de 45 anos devem fazer análises para saber se têm diabetes ou estão em risco de ter.

A doença ou a identificação de risco para diabetes (“pré-diabetes”) pode ser detectada com uma análise de sangue simples que faz parte da maioria das análises de rotina.

Em Portugal, as análises mais utilizadas para diagnosticar a diabetes são a glicemia (açúcar no sangue) em jejum, a glicemia após uma prova oral de glucose e a Hemoglobina Glicosilada do tipo A1c (geralmente aparece nas análises com a sigla “HbA1c”).

Os valores a partir dos quais o médico pode colocar a hipótese de uma diabetes do tipo 2 são:

  • Glicemia em Jejum: valor igual ou superior a 126mg/dL
  • Glicemia após prova oral de glucose ( é-lhe dado um xarope de açúcar e retirado sangue 2h depois): valor igual ou superior a 200mg/dL às 2h depois de beber o xarope.
  • Hemoglobina Glicosilada (HbA1c): valor igual ou superior a 6,5%.

Alteração do estilo de vida (adoção de hábitos saudáveis), comprimidos de toma oral ou soluções injetáveis (ex. insulina).

O tratamento deverá ser sempre iniciado e continuado por aconselhamento médico.

Este conteúdo é meramente informativo, sendo os profissionais de saúde quem melhor podem responder a todas as suas questões sobre esta doença.

Para obter mais informação, por favor consulte o nosso site: controlaradiabetes.pt