MSD: uma tradição (renovada) de inovação no VIH

Opinião


Por Vitor Virgínia
25 de Janeiro de 2018

Celebramos um marco relevante na história do tratamento para a infeção por VIH: passam 10 anos desde a aprovação do primeiro inibidor de integrase, uma década que releva de forma inequívoca trinta anos de compromisso da MSD nesta área.

Em meados dos anos 80 do século passado a MSD iniciou investigação clínica em VIH, como resposta ao que era na altura considerada uma potencial epidemia. Os cientistas da MSD estiveram entre os primeiros a descobrir e a desenvolver medicamentos para tratar o VIH, ajudando a contrariar as expectativas.

É hoje possível antever um futuro em que o VIH/SIDA é uma doença controlada, em grande parte pelos esforços desenvolvidos pela MSD. Desde que os primeiros tratamentos para o VIH ficaram disponíveis a MSD trabalhou para assegurar o acesso aos nossos medicamentos, para construir infra-estruturas de saúde e para responder a desafios colocados no mundo em desenvolvimento. É um trabalho inerente à natureza multinacional que nos caracteriza, conscientes da dimensão global deste problema e dos diferentes contornos que assume em função do nível distinto de desenvolvimento dos países, sendo que existe sempre algo em comum que nos move: os doentes.

Em Portugal temos assumido uma posição de compromisso com as pessoas que vivem com VIH e de parceria com os profissionais e as autoridades de saúde. Acreditamos que sermos respeitados e merecedores de confiança é a melhor forma de podermos reforçar, a cada dia, o nosso compromisso e as nossas prioridades que buscam a melhoria da qualidade de vida das pessoas portadoras de VIH.

Vitor Virgínia é Diretor-Geral da MSD Portugal

CORP-1247355-0000 02/2018

Publicado a