SNS disponibiliza tratamento imuno-oncológico inovador para Cancro do Pulmão

A Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, Infarmed, aprovou a comparticipação de pembrolizumab, a única imunoterapia disponível nos Hospitais públicos para o tratamento em primeira linha de doentes com carcinoma do Pulmão de Células não Pequenas (CPCNP).

 

O tratamento imuno-oncológico desenvolvido pela Merck Sharp & Dohme (MSD), acessível em meio hospitalar, passa a ser comparticipado para os doentes que desenvolvem o tipo mais comum de Cancro do Pulmão, conhecido como Cancro do Pulmão de Células não Pequenas. Para todos os carcinomas que não possam ser removidos por cirurgia ou que sejam metastáticos, a dose aprovada pelo Infarmed é de 200 mg a cada 3 semanas.

“A MSD tem reforçado o seu compromisso em desenvolver tratamentos oncológicos inovadores que façam a diferença na vida dos doentes, seus cuidadores e profissionais de saúde. Esta comparticipação para tratamento em primeira linha é o reconhecimento desse esforço e também um passo importante para melhor tratar os doentes com Cancro do Pulmão de Células Não Pequenas em Portugal, respeitando a sustentabilidade do SNS, conferindo-nos uma motivação extra para continuarmos a dar o nosso melhor nesta área”, salienta Vítor Virgínia, diretor geral da MSD Portugal.

O pembrolizumab é um anticorpo monoclonal, que estimula o próprio sistema imunitário do doente a combater o cancro. Nos últimos anos, esta terapêutica tem sido reconhecida como uma das esperanças para o tratamento do cancro, dada a sua eficácia e vantagens comparativamente às terapêuticas tradicionais. Esta aprovação tem por base o estudo KEYNOTE-024, um estudo que avalia pembrolizumab em monoterapia em comparação com quimioterapia. Os resultados do estudo demonstraram uma redução do risco de progressão ou morte em 50% dos doentes com pembrolizumab e uma redução, aos 25 meses, de 37% do risco de morte quando comparado com a quimioterapia.

Os dados mais recentes indicam que, em Portugal, existem mais de 4.332 casos de cancro do pulmão, dos quais cerca de 75% em homens e 55% em doentes com idade igual ou superior a 65 anos. O Cancro do Pulmão é a neoplasia com maior mortalidade, sendo responsável por cerca de 20% do total de mortes a nível nacional. Nos últimos anos, a imunoterapia tem sido reconhecida como uma das esperanças para o tratamento do cancro, uma vez que vem revolucionar os tradicionais métodos de tratamento – como a quimioterapia – que podem prolongar a sobrevivência em pessoas que têm a doença em estágio avançado. Sem tratamento, a sobrevivência média é de apenas seis a doze semanas.

 

Cancro do Pulmão

O cancro do pulmão, que se forma nos tecidos dos pulmões, geralmente nas células que revestem as passagens de ar, é a principal causa de morte por cancro em todo o mundo. A cada ano, morrem mais pessoas de cancro do pulmão do que de cancros do cólon, da mama e da próstata combinados. Os dois principais tipos de cancro do pulmão são o cancro do pulmão de células não-pequenas e o de pequenas células. O cancro do pulmão de células não-pequenas é o tipo mais comum de cancro do pulmão, contribuindo para cerca de 85% de todos os casos. A taxa de sobrevivência relativa a cinco anos para doentes que sofrem de cancro do pulmão avançado metastático (Estádio IV), estima-se ser de 2%.

 

O Nosso Foco na Oncologia

O nosso objetivo é traduzir ciência inovadora em medicamentos oncológicos inovadores de modo a ajudar pessoas com carcinoma em todo o mundo. Para a MSD Oncologia, ajudar pessoas a combater o carcinoma é a nossa paixão e apoiar a acessibilidade aos nossos medicamentos oncológicos é o nosso compromisso. O nosso foco é continuar a pesquisa em imuno-oncologia e procuramos acelerar cada passo do laboratório à clínica, para dar potencialmente, nova esperança às pessoas com carcinoma.

 

Sobre a MSD

Por mais de um século, a MSD tem sido líder mundial em cuidados de saúde e tem trabalhado para melhorar a saúde em todo o mundo. A MSD é uma subsidiária da Merck & Co., Inc., com sede em Kenilworth, N.J., E.U.A. Através dos nossos medicamentos de prescrição, vacinas, terapêuticas biológicas e produtos de saúde animal, trabalhamos com clientes e operamos em mais de 140 países para fornecer soluções de saúde inovadoras. Demonstramos também o nosso empenho e compromisso na melhoria do acesso a cuidados de saúde através de políticas, programas e parcerias. Para mais informação, visite www.msd.pt

 

Declaração de Visão Futura da MSD

Este comunicado de imprensa da MSD (a “Companhia”) inclui “declarações de visão futura” dentro do âmbito das disposições de “porto seguro” da Lei de Reforma de Litígios de Títulos Privados dos Estados Unidos de 1995. Estas declarações são baseadas nas previsões e expectativas atuais da equipa de gestão da Companhia e estão sujeitas a riscos significativos e incertezas. Relativamente aos produtos em desenvolvimento ou pipeline, não pode haver garantia de que os mesmos recebam as aprovações regulamentares necessárias ou de que sejam comercializados com sucesso. Se os pressupostos inerentes se provarem imprecisos, ou se materializarem riscos ou incertezas, os resultados atuais poderão diferir, materialmente, dos definidos nas declarações de visão futura.

Os riscos e incertezas incluem, mas de forma não limitativa, condições gerais da indústria e concorrência; fatores económicos gerais, incluindo taxas de juros e flutuações da taxa de câmbio; o impacto da regulamentação da indústria farmacêutica e legislação de cuidados de saúde nos Estados Unidos e internacionalmente; tendências globais relativas a contenção de custos com cuidados de saúde; avanços tecnológicos, novos produtos e patentes obtidos pela concorrência; desafios inerentes ao desenvolvimento de novos produtos, incluindo a obtenção de aprovações regulamentares; a capacidade da Companhia prever, com precisão, as condições de mercado futuras; dificuldades ou atrasos de produção; instabilidade financeira de economias internacionais e risco soberano; dependência da efetividade das patentes da Companhia e outras proteções para produtos inovadores; e a exposição a litígios, incluindo litígios de patentes, e/ou ações regulamentares.

A Companhia não assume qualquer obrigação de atualizar publicamente qualquer declaração de visão futura, seja como resultado de nova informação, seja por eventos futuros, ou qualquer outro fator. Podem ser encontrados fatores adicionais, que podem contribuir para resultados materialmente diferentes daqueles descritos nas declarações de visão futura, no Relatório Anual de 2015 da Companhia, no Formulário 10-K e outra documentação da empresa, na Comissão de Mercado de Valores (Securities and Exchange Commission, SEC), disponíveis no sítio da SEC na Internet (www.sec.gov).

Publicado a