Um futuro de investigação para ainda mais saúde

Opinião


Por Paula Martins de Jesus
18 de Junho de 2018

Como responsável médica da MSD Portugal, um dos impulsionadores do evento, coube-me dar a visão de quem, na indústria farmacêutica, tem acompanhado a dinâmica da investigação clínica e o seu impacto na saúde nestes últimos anos.

A indústria farmacêutica tem investigado e desenvolvido moléculas que procuram responder a necessidades médicas não atendidas. O lançamento e introdução de inovação terapêutica teve impacto comprovado, e substancial, na esperança média de vida. A indústria farmacêutica é hoje um parceiro, diria, insubstituível no financiamento da investigação médica.

Hoje é mais importante do que nunca a existência de um ecossistema favorável à criação de inovação que seja premente para a sociedade, com custos de desenvolvimento menos elevados, para que possamos contornar o declínio na produtividade da investigação e desenvolvimento nesta área a que temos assistido ao longo da última década.

Em Portugal, pensamos relevante fazer da investigação clínica uma bandeira de progresso e desenvolvimento que, como estratégia nacional, deve integrar uma acção concertada ao nível de várias áreas governativas, entre elas a educação, economia e saúde. Ao mesmo tempo, devemos garantir a capacidade estrutural dos centros que fazem investigação, dotando-os de autonomia, de capacidade técnica e humana para assumir colaborações e garantido os incentivos necessários para que estas estruturas façam boa investigação.

É essencial o elemento humano e por isso fundamental procurar dinamizar o interesse e salvaguardar a disponibilidade dos nossos médicos para a investigação. E é também fulcral que numa era de partilha, possamos contar com informação integrada e disponível sobre o que se faz em investigação médica.

É por isto que acreditamos na mais-valia destes debates, momentos de reflexão para ação. Tudo faremos para continuar, como companhia, a liderar na inovação, procurando mudar vidas, colaborando com os nossos parceiros neste desígnio comum.

Paula Martins de Jesus é Diretora Médica da MSD Portugal

Publicado a