Opinião

Q&A: Infeção a HPV e doenças associadas, por Prof. Dra. Carmen Lisboa

Dra. Carmen Lisboa
por Carmen Lisboa,
Dermatologista

 

 

 

 

 

 


1. Porque é o HPV um vírus com que nos devemos preocupar?

O HPV, ou vírus do papiloma humano, é um vírus que pode causar cancro. O risco de cancro associado à infeção persistente por HPV é muito preocupante. A infeção por HPV é muito frequente em todo o mundo. O HPV é um vírus capaz de infetar a pele e algumas mucosas, podendo originar o aparecimento de lesões, as verrugas. Quando se localizam nos órgãos genitais, chamam-se condilomas acuminados ou verrugas genitais. Atualmente a infeção por HPV é a infeção de transmissão sexual mais frequente.

Conhecem-se mais de cem subtipos diferentes do vírus. Cada subtipo localiza-se numa área diferente do nosso corpo onde podem provocar lesões: uns fixam-se nas mãos, outros nos pés, outros nos genitais. Nos genitais há subtipos de HPV cuja infeção está associada a maior risco de cancro – chamam-se tipos oncogénicos de HPV.

2. Como posso apanhar HPV?

O HPV é transmitido, na maioria dos casos, por contacto direto com a pele infetada. Quando a infeção se localiza na área genital habitualmente ocorre por contacto com a pele/mucosa infetada durante as relações sexuais. Após a transmissão do vírus este fica nas camadas mais superficiais da pele e mucosas e aí permanece sem se multiplicar durante meses ou anos, não provocando qualquer lesão – infeção latente. Quando o vírus se multiplica provoca o aparecimento das lesões – infeção clínica.

3. Qual a principal diferença entre o HPV e outros vírus transmitidos sexualmente?

Além de ser o vírus de transmissão sexual mais frequente, é causador de cancro nas áreas em que existe de forma persistente – cancro do colo do útero, cancro da vagina, cancro vulva, cancro do pénis, cancro anal e alguns cancros da boca.

4. Quais as manifestações dermatológicas mais comuns do HPV?

As manifestações dermatológicas mais comuns da infeção por HPV são as verrugas.

5. Quais as manifestações dermatológicas mais graves do HPV?

As mais graves são o cancro.

6. Se tiver condilomas genitais, o que devo fazer?

Se tiver ou suspeitar que tem condilomas genitais deverá recorrer ao médico assistente que o orientará de forma mais adequada.

7. Quais as formas de prevenção disponíveis?

Em relação à prevenção da infeção por HPV, temos hoje ao dispor, fazendo parte do Programa Nacional de Vacinação, vacinas para o HPV, que devem ser aplicadas antes do início da atividade sexual para ambos os géneros. O preservativo diminui a possibilidade de transmissão do HPV durante a relação sexual, embora não a evite completamente. Na prevenção do cancro do colo de útero mantem-se a recomendação da citologia cervico-vaginal de acordo com as recomendações da DGS.

8. Quais as formas de rastreio disponíveis?

Nas mulheres está indicado o rastreio do cancro do colo do útero, que inclui a pesquisa de HPV de alto-risco oncogénico em citologia cervico-vaginal.

O diagnóstico de condilomas acuminados ou verrugas genitais é essencialmente clínico. Não estão indicados exames de rastreio para os parceiros de doentes com diagnóstico de infeção HPV, se assintomáticos. Não está indicado realizar pesquisa e tipagem de HPV na área genital externa em mulheres ou homens. Estão a ser estudados métodos adequados para rastreio de cancro anal e oral associados a HPV.

9. Quem está atualmente abrangido pelo Programa Nacional de Vacinação (PNV)?

Meninas e meninos com 10 anos. A vacina para o sexo masculino só foi iniciada em outubro de 2020 e abrange todos os rapazes nascidos após 2009, inclusivamente. Os rapazes que iniciaram a vacinação por prescrição médica podem completar o esquema, gratuitamente no Centro de Saúde, até ao dia antes de fazer 27 anos de idade (desde que nascidos após 2009), respeitando sempre o esquema recomendado para a sua idade. 

10. Qual é atualmente a recomendação para a vacinação de mulheres e homens adultos (não abrangidos pelo PNV)?

Recomenda-se a vacinação, de forma geral, para homens e mulheres adultos, independentemente de história passada de infeção por HPV ou verrugas, ou se na altura têm esta infeção. Parece haver benefícios para prevenir novas infeções ou reativação pelo tipo de HPV cobertos pelas vacinas. A recomendação de vacinar é particularmente mais forte até 46 anos. No entanto, a vacina pode ser dada em adultos mais velhos e acredita-se que terá benefício na prevenção da infeção ou reinfeção.

Prof. Dra. Carmen Lisboa, dermatologista
Nota: Todos os conteúdos são da responsabilidade do autor

 

9 perguntas e respostas sobre o Papilomavírus Humano (HPV)
Aceda aqui

PT-NON-00831 02/21